Ser e Ter (2002)

Ser e ter (Être et avoir)
Direção: Nicholas Philibert
Ano: 2002

Uma van desliza sob a neve em uma cidade pacata e rural no interior da França. A cada parada, uma criança entra, cumprimenta o motorista, se despede de sua mãe e observa pela janela o caminho que a levará a mais um dia de aula em uma escola pouco tradicional. Assim começa o filme documentário Ser e ter, que foi um dos selecionados oficiais do festival de Cannes de 2004 e recebeu cerca de 1,8 milhões de pessoas na estréia na França em 2002.
O filme mostra um professor e uma sala de aula com 12 crianças que tem de 4 a 10 anos. Ou seja, uma sala de aula em que cada um se encontra em um nível diferente de aprendizagem, portanto, o professor tem que lidar com essas especificidades e os alunos tem que aprender a trabalhar em grupo e respeitar o outro que está aprendendo aquilo que ele já aprendeu, ou que precisa de sua ajuda.
O elemento central da história é o professor Georges Lopez, que acompanha as crianças desde o jardim da infância até o último ano do primário, um exemplo de dedicação total à sua atividade de mentor e professor. Através de sua participação, o filme mostra a influência positiva do educador na formação do caráter de seres humanos desde a mais tenra idade.
O método de aprendizado da escola mostra características de um modelo tradicional e ao mesmo tempo, uso da teoria do construtivismo e tentativas de um ensino próximo à metodologia do Ensino Baseado em Problemas (do inglês PBL – Problem-based Learning), em que os estudantes são o centro do aprendizado e juntos, de forma colaborativa, entendem o conhecimento, fazem muitas perguntas e refletem sobre suas experiências.
O aprendizado nessa escola também envolve diversas atividades extras, que não ocorrem com frequência no ensino tradicional, como ir ao campo fazer um piquenique na companhia dos pais, brincar em uma máquina de xerox, fazer panquecas e até mesmo andar de trenó na neve.
O diretor do filme, Nicholas Philibert, pesquisou mais de 300 estabelecimentos em toda a França para escolher essa escola na pequena comunidade de Aubergne e, a meu ver, escolheu muito bem, pois o professor é um excelente profissional e propicia situações interessantes para discussão. Este filme abarcou um ano do período letivo dessa escola.
É um documentário que vale a pena assistir!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s