Hannah Arendt (2013)

Filme: Hannah Arendt

Ano: 2013

Direção: Margarethe von Trotta

Estamos prestes a começar a escrever nossos TCCs.

Por isso, achei o filme da Hannah Arendt muito interessante para nos ajudar a pensar como ela construiu suas teorias no decorrer de sua vida:

Como os acontecimentos que ela vivenciava a impactavam e a moviam para a reflexão e a construção de suas teorias?

Estudamos nas nossas disciplinas de Filosofia da Educação as teorias de Hannah Arendt, uma das mais importantes filósofas do século XX.

O filme, no entanto, nos mostra como as experiências de sua vida pessoal a levaram a escrever suas ricas teorias.

Por ser judia, Hannah Arendt fugiu da Alemanha Nazi em 1933 e se refugiou nos Estados Unidos com seu marido Heinrich.

Seu grande desconforto começou em 1961 com o julgamento de Eichmann em Israel.

Eichmann era um tenente coronel da SS que foi responsabilizado pela logística do extermínio de milhões de pessoas no final da Segunda Guerra Mundial, organizando a identificação e o transporte de pessoas para os diferentes campos de concentração.

Como era jornalista, Arendt foi cobrir o julgamento para o jornal americano The New Yorker e ficou perplexa, pois esperava que Eichmann fosse um monstro e, na verdade, achou que ele era uma “pessoa normal”. Com essa experiência, concluiu que a trivialização da violência corresponde ao vazio de pensamento, onde a banalidade do mal se instala.

Para quem quer conhecer melhor a história dessa filósofa e como a relação entra teoria e prática se deu em sua vida, esse filme é uma ótima pedida!!

E você? Como a sua vida pessoal se relaciona com seu trabalho como pesquisadora?

6 pensamentos sobre “Hannah Arendt (2013)

  1. Nada como usar das nossas experiências pessoais para escrever seja TCC, seja livros ou pequenas histórias. Experiências pessoais sempre enriquecem! Eu mesma pretendo usar de uma experiência atual para escrever meu TCC. Primeiro porque isso me motiva e deixa minha curiosidade aguçada e segundo porque não existe nada melhor a ser feito do que feito com prazer.

  2. Também acredito que nossas experiências pessoais, além de influenciarem na maneira que falamos e agimos, se refletem também em nossos pensamentos. Nosso capital cultural não nos deixa esquecer nossas origens e situações pelas quais passamos e nossa construção pessoal a partir de tudo que vivemos, ouvimos e lemos com certeza influenciam nas reflexões escritas no TCC. Acredito que é a partir de nossas experiências pessoais que iremos entender o que lemos e olhar os temas ao nosso redor com um olhar mais crítico.

  3. Acho bem interessante utilizar experiências pessoais para escrever o TCC!
    Contudo, o que eu mais gostei deste filme, logo que saiu no cinema eu corri para assistir, foi a discussão sobre o totalitarismo e a banalidade do mal. O filme mostra que Hannah foi assistir ao julgamento de Eichmann e o que viu, e só ela viu, foi a banalidade do mal na figura de um burocrata preocupado em cumprir as ordens e para quem as ordens substituíram a reflexão. Eichmann mata sem pensar achando que o certo está em cumprir ordens e não discuti-las. Percebe-se, então, que a monstruosidade não está na pessoa, está no sistema, que possibilita essas violências sistemáticas exercidas por pessoas banais (que não refletem sobre os atos que realizam por achar mais fácil cumprir ordens).

  4. Li ontem uma matéria no Estadão cujo título era “Ciência brasileira precisa ser mais ousada, diz editora-chefe da Science”. Acredito que nos falta muita ousadia na pesquisa mesmo, nos rendemos aos padrões, nos moldamos para conseguir publicações e perdemos a oportunidade de escrever aquilo que é mais relevante. Em meu trabalho de TCC trato questões bem delicadas e espero ter ousadia para escrever como se deve…. Estou bem curiosa para ver esse filme da Arendt e aproveitar e me inspirar!

  5. Não assisti esse filme, mas fiquei muita interessada pelas indagações que tenho sobre essa violência desenfreada que vivemos e que muitas vezes imediatamente só olhamos para autor da violência e não tudo que o levou aquele ato de violência.
    E, com certeza, escrever um TCC a partir de experiências vividas é muito mais significativo e prazeroso, porque podemos nos debruçar em algo que é de algum modo importante.

  6. Nossa, muito legal a indicação e também os comentários a respeito do filme. Me deu mais vontade ainda de assistir esse filme pensando exatamente como a prática e a vida direcionam os pensamentos, as teorias e a as produções de uma pessoa. É uma demonstração de como as significações de cada um acontecem de acordo com as experiências de vida.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s